fbpx
29.4 C
Belo Horizonte
quarta-feira, 20 / janeiro / 2021

Polícia apura suspeita de fraudes na construção de presídio mineiro

Mais Lidas

Bolsa Família começa a receber parcela de R$ 300

O Bolsa Família começa a receber as novas parcelas do auxílio emergencial de R$ 300 nesta quinta-feira (17). Com a mudança de valor, 4,9 millhões deixaram de ganhar o auxílio neste grupo, ou seja, 15% dos 19,2 milhões de inscritos em abril.

Juiz de Fora confirma mais três óbitos e 94 novos casos nesta sexta

A cenoura é um vegetal com qualidades benéficas tanto para a saúde como para a estética. Ela é utilizada há muitos anos como remédio e também como bálsamo de beleza.

Bolsonaro veta perdão a dívidas de igrejas e sugere derrubada do veto

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que disciplina o acordo com credores para pagamento com desconto de precatórios federais.

Nova síndrome que atinge crianças pode estar ligada ao coronavírus

Ainda não há confirmação, mas tudo indica que a nova Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P), que tem preocupado médicos em todo o mundo, pode estar associada ao coronavírus.

A suspeita de irregularidades na contratação de um grupo de empresas privadas consorciadas pelo governo de Minas Gerais, em 2009, levou a Polícia Civil mineira a cumprir, hoje (16), 13 mandados de busca e apreensão em endereços residenciais e comerciais ligados a empresários, servidores e ex-gestores públicos.

Os mandados judiciais foram cumpridos em duas cidades de Minas Gerais (Belo Horizonte e Nova Lima) e três municípios paulistas (São Paulo, Jaguariúna e Barueri). Batizada de Ergastulum, em alusão aos antigos edifícios romanos onde escravos considerados perigosos eram acorrentados e punidos, a operação é o resultado de investigações que apuram fraudes na licitação que resultou na contratação, em 2009, do consórcio Gestores Prisionais Associados (GPA) para a construção das cinco unidades do complexo penitenciário público-privado de Ribeirão das Neves, na região metropolitana de Belo Horizonte – e das quais, até hoje, apenas três foram entregues.

Segundo o chefe da Divisão Especializada de Combate à Corrupção, Investigação a Fraudes e Crimes contra a Ordem Tributária, delegado Domiciano Monteiro, os alvos da operação também são investigados por peculato (subtração ou desvio, mediante abuso de confiança, de dinheiro público), condescendência criminosa e organização criminosa. A suspeita é que a ação ilícita dos envolvidos tenha causado um prejuízo de mais de R$ 100 milhões aos cofres públicos estaduais.

Formado por cinco empresas, o consórcio foi criado para implantar e administrar a “primeira iniciativa brasileira em modelo de parceria público-privada (PPP) no sistema prisional” brasileiro. À época da assinatura do contrato, o estado era governado pelo hoje deputado federal Aécio Neves (PSDB). A primeira unidade, no entanto, foi inaugurada em 2014, durante a gestão do hoje senador Antonio Anastasia (PSDB).

Das cinco unidades previstas para serem entregues até 2013, apenas três estão em funcionamento – a última delas foi entregue em junho de 2014. De acordo com Monteiro, após sucessivos aditivos contratuais, o próprio governo estadual acabou por admitir, em 2018 (quando o estado era administrado por Fernando Pimentel (PT) a inclusão de uma cláusula contratual que não só excluiu o prazo para conclusão das obras, como eximiu a empresa de quaisquer sanções por atrasos nos cronogramas anteriormente acordados.

“O contrato inicial foi celebrado em 2009, por aproximadamente R$ 2,1 bilhões [montante não corrigido para valores atuais], mas vários termos aditivos foram sendo assinados ao longo do tempo”, disse Monteiro a jornalistas, esta manhã. O delegado explicou que o último termo aditivo ao contrato inicial foi assinado em 2018, após o governo estadual e o GPA travarem uma disputa judicial.

“Quando surgiram os primeiros indícios de irregularidades nestes contratos, em 2015, o então secretário de Defesa Social determinou que os pagamentos ao consórcio fossem suspensos. Isto culminou em uma ação judicial [que resultou em] um acordo judicial, seguido pela assinatura de um novo termo aditivo”, detalhou o delegado, afirmando que “cláusulas extremamente lesivas ao estado” continuaram inclusas no novo termo aditivo, firmado perante à Justiça.

“Foi incluída, por exemplo, uma cláusula de prazo indeterminado para a entrega [pelo consórcio] das unidades 4 e 5 [do complexo prisional. E, desde a assinatura do acordo, nada mais foi feito. Além disso, no acordo judicial e no termo aditivo, o estado inseriu uma cláusula vinculando que, a partir daí, a entrega das unidades restantes deveria ocorrer quando a concessionária obtivesse um financiamento. Mesmo o contrato inicial prevendo que, caso fosse necessário financiamento, a obrigação seria do consórcio”, acrescentou o delegado, afirmando que, ao longo das investigações, foram reunidos indícios que sugerem que os sucessivos termos aditivos beneficiaram o consórcio inclusive com a majoração de valores a serem pagos por serviços já previstos no contrato inicial.

“Dentre as possíveis irregularidades estão o pagamento, pelo estado, de itens que já eram contemplados no contrato inicial, de 2009, a exemplo de um circuito fechado de televisão, no valor de R$ 10 milhões. A obrigação do consórcio pela instalação, manutenção e modernização de todo o circuito já constava do contrato inicial, por toda a vigência deste primeiro contrato, de quase 30 anos. Mesmo assim, em virtude de um pedido de recomposição de equilíbrio econômico-financeiro, o estado acabou pagando [a mais] por estes itens”, sustenta o delegado.

Por e-mail, a Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) informou que acompanha os desdobramentos da investigação sobre o contrato de parceria público-privada e aditivos “assinados em gestões passadas”. A pasta ainda destaca que a operação desta manhã “teve origem no levantamento de indícios de possíveis irregularidades, apontados pela atual gestão da secretaria, e apurados, em continuidade, pela Controladoria-Geral do Estado”.

“Prezando pelo direito da ampla defesa e contraditório, a Sejusp aguarda o esclarecimento dos fatos, a bem da correição no uso de recursos públicos e respeito à população mineira. Destaca ainda que, mais uma vez, as forças de segurança do Estado, representadas neste ato pela Polícia Civil, demonstram a impessoalidade das ações de investigação realizadas no Estado de Minas Gerais”, acrescenta a secretaria.

Matéria alterada às 15h40 para acréscimo de informação.

Edição: Valéria Aguiar

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Só nas últimas 24h MG registra 120 óbitos por covid-19

Minas Gerais chega a quase 11 mil mortos por corona

Governador determina que PM intensifique fiscalização nas festas de fim de ano

governador Romeu Zema (Novo) convocou a Polícia Militar de Minas de Gerais (PMMG)

Renovação de CNH já pode ser solicitada pelo MG app

Mais de 70 serviços do Governo de Minas são disponibilizados no aplicativo

Anvisa certifica farmacêutica chinesa que desenvolveu CoronaVac

Resolução foi publicada hoje no Diário Oficial da União

Anvisa inspeciona voos procedentes do Reino Unido

Medida é para evitar propagação da variante do coronavírus