fbpx
26.9 C
Belo Horizonte
quinta-feira, 21 / janeiro / 2021

ONU: Trump exige ação contra China por coronavírus; Xi pede cooperação

Mais Lidas

Bolsa Família começa a receber parcela de R$ 300

O Bolsa Família começa a receber as novas parcelas do auxílio emergencial de R$ 300 nesta quinta-feira (17). Com a mudança de valor, 4,9 millhões deixaram de ganhar o auxílio neste grupo, ou seja, 15% dos 19,2 milhões de inscritos em abril.

Juiz de Fora confirma mais três óbitos e 94 novos casos nesta sexta

A cenoura é um vegetal com qualidades benéficas tanto para a saúde como para a estética. Ela é utilizada há muitos anos como remédio e também como bálsamo de beleza.

Bolsonaro veta perdão a dívidas de igrejas e sugere derrubada do veto

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que disciplina o acordo com credores para pagamento com desconto de precatórios federais.

Governo qualifica rodovias e terminais portuários junto ao Programa de Parcerias de Investimentos

Ministério da Infraestrutura dá continuidade à projeto de desestatização e de concessões à iniciativa privada

O presidente norte-americano Donald Trump usou a Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta terça-feira (22), para atacar a maneira como a China lidou com a pandemia de coronavírus, dizendo que a entidade deveria “responsabilizar a China” pelas relações relacionadas ao surto.

Em contraste, o presidente da China, Xi Jinping, adotou um tom conciliador em seu discurso virtual gravado com antecedência para a assembleia-geral, pedindo uma cooperação melhor em relação à pandemia e sublinhando que a China não tem intenção de lutar “nem uma Guerra Fria, nem uma quente” com qualquer outro país.

Os líderes das duas maiores economias do mundo expuseram suas visões conflitantes, com as relações em seu pior momento em décadas em meio à pandemia, e com o coronavírus agravando tensões sobre comércio e tecnologia.

Trump, prestes a encarar uma tentativa de reeleição com os EUA lidando com a maior contagem oficial de mortes pelo coronavírus do mundo, focou seu discurso em atacar a China.

Trump acusou Pequim de permitir que as pessoas saíssem da China nos primeiros estágios do surto para infectar o mundo, ao mesmo tempo em que proibiu as viagens domésticas.

“Precisamos responsabilizar a nação que soltou esta praga no mundo, a China”, disse, em comentários gravados na segunda-feira, na Casa Branca, e entregues remotamente à Assembleia Geral, por causa da pandemia.

“O governo chinês e a Organização Mundial de Saúde –que é virtualmente controlada pela China– falsamente declararam que não havia evidência de transmissão entre humanos”, disse.

“Depois, eles falsamente disseram que pessoas sem sintomas não disseminariam a doença… a Organização das Nações Unidas precisa responsabilizar a China pelas suas ações.”

O presidente prometeu distribuir uma vacina e disse: “Vamos derrotar este vírus e vamos encerrar esta pandemia”.

Ao introduzir os comentários de Xi, o embaixador chinês na ONU, Zhang Jun, afirmou que a China “rejeita resolutamente as acusações infundadas” contra o país.

“O mundo está em uma encruzilhada. Neste momento, o mundo precisa de mais solidariedade e cooperação, e não confronto”, disse.

Em seu discurso, que pareceu ser uma resposta implícita a Trump, Xi pediu uma resposta global ao coronavírus, dando à Organização Mundial de Saúde um papel de liderança. Trump anunciou planos para retirar os EUA da OMS.

“Enfrentando o vírus, devemos reforçar a solidariedade e passar por isso juntos”, disse. “Devemos seguir as orientações da ciência, dar plenitude ao papel de liderança da Organização Mundial de Saúde e lançar uma resposta conjunta internacional para vencer a pandemia. Qualquer tentativa de politizar o assunto, ou estigmatizá-lo, precisa ser rejeitada.”

A OMS rejeitou as declarações de Trump.

“Nenhum governo nos controla”, disse a diretora de comunicações da OMS, Gabby Stern, em um tuíte, acrescentando: “Em 14 de janeiro, nosso líder técnico para #COVID19 disse à mídia sobre o potencial de transmissão entre humanos. Desde fevereiro, nossos especialistas discutiram publicamente a transmissão por pessoas sem sintomas ou antes dos sintomas.”

A contagem de mortes pelo coronavírus nos Estados Unidos passou de 200 mil na segunda-feira, de longe o maior total oficial em qualquer país.

Trump também atacou o histórico da China em relação ao meio ambiente, mas não direcionou críticas a Pequim em relação a direitos humanos.

O presidente, crítico frequente da Organização das Nações Unidas, afirmou que, para ela ser eficiente, precisa se concentrar nos “verdadeiros problemas do mundo”, como “terrorismo, opressão das mulheres, trabalho forçado, tráfico de drogas, seres humanos e sexual, perseguição religiosa e limpezas étnicas de minorias religiosas”.

Mais cedo, o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o mundo estava se movendo “em uma direção muito perigosa” com as tensões entre China e EUA.

“Precisamos fazer de tudo para evitar uma nova Guerra Fria”, disse, à Assembleia. “Nosso mundo não aguenta um futuro em que as duas maiores economias dividem o globo em uma Grande Fratura –cada um com suas próprias regras financeiras e comerciais, internet e capacidade de inteligência artificial.”

“Uma divisão tecnológica e econômica é inevitavelmente um risco de se tornar uma divisão geo-estratégica e militar. Precisamos evitar isso a todo custo”, afirmou.

Por Reuters

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Só nas últimas 24h MG registra 120 óbitos por covid-19

Minas Gerais chega a quase 11 mil mortos por corona

Governador determina que PM intensifique fiscalização nas festas de fim de ano

governador Romeu Zema (Novo) convocou a Polícia Militar de Minas de Gerais (PMMG)

Renovação de CNH já pode ser solicitada pelo MG app

Mais de 70 serviços do Governo de Minas são disponibilizados no aplicativo

Anvisa certifica farmacêutica chinesa que desenvolveu CoronaVac

Resolução foi publicada hoje no Diário Oficial da União

Anvisa inspeciona voos procedentes do Reino Unido

Medida é para evitar propagação da variante do coronavírus