fbpx
22.7 C
Belo Horizonte
quinta-feira, 21 / janeiro / 2021

Dia do Sexo: fetiche por penetração grupal aumenta na pandemia

Mais Lidas

Bolsa Família começa a receber parcela de R$ 300

O Bolsa Família começa a receber as novas parcelas do auxílio emergencial de R$ 300 nesta quinta-feira (17). Com a mudança de valor, 4,9 millhões deixaram de ganhar o auxílio neste grupo, ou seja, 15% dos 19,2 milhões de inscritos em abril.

Juiz de Fora confirma mais três óbitos e 94 novos casos nesta sexta

A cenoura é um vegetal com qualidades benéficas tanto para a saúde como para a estética. Ela é utilizada há muitos anos como remédio e também como bálsamo de beleza.

Bolsonaro veta perdão a dívidas de igrejas e sugere derrubada do veto

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que disciplina o acordo com credores para pagamento com desconto de precatórios federais.

Governo qualifica rodovias e terminais portuários junto ao Programa de Parcerias de Investimentos

Ministério da Infraestrutura dá continuidade à projeto de desestatização e de concessões à iniciativa privada

Ele chegou: neste domingo (9/6), é comemorado o Dia do Sexo. Mas com a pandemia e a necessidade de distanciamento social, muitas pessoas têm convivido há meses com o temido tesão acumulado e não vão poder comemorar a data do jeito que gostariam.

De acordo com um levantamento feito pela rede social adulta Sexlog com mais de 4 mil usuários, enquanto a quantidade de pessoas que faziam sexo mais de três vezes por semana era de 29,9%, durante a quarentena o número caiu para 16,6%.

Esta diminuição na frequência sexual pode ter causado algumas mudanças nos fetiches sexuais por aí. O ménage continua invicto, com 68,9% de pessoas querendo praticá-lo pós quarentena, mas o swing ultrapassou a suruba nos desejos dos quarenteners, com 38% dos usuários com vontade de experimentar.

Mas o que chama mais atenção na pesquisa é o aumento considerável de interesse pelo gangbang. Dentre os mesmos usuários dos quais 7,1% já haviam praticado o fetiche antes da pandemia, 18,7% afirmaram querer praticar depois que a vacina sair.

Para quem não sabe, o gangbang é uma espécie de suruba em que, em um cenário com necessariamente mais de três pessoas, apenas uma delas é penetrada por todas as outras durante todo o ato.

Segundo a terapeuta sexual Tâmara Dias, esse aumento é justificável pelo período de confinamento, em que as pessoas ficam em abstinência e ressignificam antigos padrões.

“A pandemia faz as pessoas colocarem foco em outros aspectos da vida que antes não se permitia. A pessoa pensa: ‘tudo que não vivi por medo, vou fazer quando tudo isso acabar’. Nisso ela acaba usando a criatividade, ousando e até buscando extremos”, explica.

Riscos

Como se sabe, todo fetiche, desde que consensual de todas as partes, é saudável e muito bem-vindo. Contudo, a psicóloga faz um alerta para que as pessoas não deixem a sede de “tirar o atraso” deixá-las vulneráveis a situações de risco, não só de infecções sexualmente transmissíveis como de possíveis abusos.

“A pandemia mexe com o psicológico das pessoas, e a carência afetiva é um dos fatores que mais deixam as pessoas vulneráveis a abusos”, aponta. A dica é ir devagar e sempre procurar saber bem com quem se está mantendo uma relação. A regra é: são, seguro e consensual.

Reprodução: Pouca Vergonha

- Publicidade -

Mais Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Publicidade -

Últimas Notícias

Só nas últimas 24h MG registra 120 óbitos por covid-19

Minas Gerais chega a quase 11 mil mortos por corona

Governador determina que PM intensifique fiscalização nas festas de fim de ano

governador Romeu Zema (Novo) convocou a Polícia Militar de Minas de Gerais (PMMG)

Renovação de CNH já pode ser solicitada pelo MG app

Mais de 70 serviços do Governo de Minas são disponibilizados no aplicativo

Anvisa certifica farmacêutica chinesa que desenvolveu CoronaVac

Resolução foi publicada hoje no Diário Oficial da União

Anvisa inspeciona voos procedentes do Reino Unido

Medida é para evitar propagação da variante do coronavírus